Como Aprimorar a Memória

Método de Memorização

Aprender como aprimorar a memória implica, necessariamente, aprender a combater a dificuldade de concentração nesta nossa Era da Informação. É impossível se recordar de algo a que não se prestou atenção.

Estar imerso no momento presente, consciente dos próprios atos e do ambiente ao redor, é portanto o primeiro passo para que seja possível à memória operar. E a concentração é tão mais fácil à medida que o estudante se envolve com o objeto de seu estudo.

Foco e Memória

Este envolvimento ocorre quando a razão deixa de ser o único vínculo entre o indivíduo e o texto (ou a aula). As técnicas mais modernas ensinam como melhorar a memória por meio da criação, entre ambos, de vínculos não-racionais, não-teoréticos.

Estudar, em teoria, o funcionamento de um carro, não é garantia de que haverá de fato retenção, por parte do aluno. Mas se o aluno não se limitar ao livro e efetivamente entrar num automóvel, liga-lo, conduzi-lo pelas ruas, examinar suas engrenagens internas, os seus sentidos entrarão em ação.

O mesmo aluno ainda pode relacionar aspectos do funcionamento do carro com situações pessoais, passadas ou hipotéticas. Exemplo: imaginar o veículo “morrendo” enquanto está indo para uma imperdível entrevista de emprego. Neste caso, suas emoções entrarão em ação em prol da concentração – registrando, por tabela, os ensinamentos em sua memória.

Razão, sentidos e emoção, juntos, concorrem para que o estudante imerja naturalmente em um determinado tema, reforçando seu foco, sua concentração. Imagine-se (hipoteticamente, apenas a título de exercício intelectual) a possibilidade de criar conteúdo escolar tão atrativo quanto os filmes de ação que deixam os adolescentes vidrados na tela. Os vínculos entre conteúdo e plateia seriam tão fortes que a retenção viria naturalmente.

Resumidamente, a falta de concentração, às vezes, é o verdadeiro problema, e não a falta de memória.

Técnicas para Aprimorar o Foco e a Memória

É possível lapidar ambos, com as técnicas certas e a disposição da prática diária – sendo que a melhoria do foco, POR SI SÓ, produz resultados na memorização. Na internet, no mercado, há abundantes informações sobre o assunto, que se beneficiam da enorme ampliação dos conhecimentos cerebrais ocorridos nos últimos anos.

Meditar, por exemplo, é uma técnica comprovada de elevar o nível de concentração. 10 minutos por dia já produzem efeitos, embora o ideal sejam no mínimo 30 minutos, divididos em 2 ou 3 sessões.

No caso específico da memória, técnicas simples também produzem resultados espantosos: resumir conteúdos, ensinar o que se aprendeu e produzir redundância de canais (botar no papel o que se ouviu em sala de aula, por exemplo) são algumas das medidas sugeridas.